Coronavirus: Um mundo diferente a partir de agora

Hoje vivemos uma situação que imaginávamos apenas em filmes de terror científico, mas que nunca se tornaria realidade.

O mundo simplesmente parou, como na música premonitória de Raul Seixas nos idos de 1997. Novos hábitos começam a ser adotados e deverão permanecer na rotina de todos nós, como aconteceu com a escovação de dentes que teve início em 1498 na China (quem diria…), e que provocou a melhora da saúde em geral, evitando-se vírus e bactérias.

O Coronavirus (COVID-19) parecia algo passageiro e restrito ao local onde provavelmente surgiu (China), entretanto iniciamos 2020 com a sensação de estarmos sendo encurralados gradativamente por esta assombração cada vez mais concreta.

No mundo dos Esportes, como em todos os demais segmentos de nossa vida, o impacto é avassalador. Adiamento dos Jogos Olímpicos, cancelamento de jogos de futebol, eventos em geral e até o treinamento esportivo, na maioria das vezes com simples objetivos de manutenção de saúde, tornaram-se uma lembrança para muitos e um desafio para alguns..

O fato é que ainda se sabe muito pouco sobre este vírus. Basicamente sabemos que seu grau de letalidade é menor do que muitos outros, entretanto a velocidade de propagação é inúmeras vezes maior, o que torna os números absolutos de mortes e infecções, um verdadeiro caso de terror.

Apesar disso, governos vêm projetando a flexibilização do propagado isolamento social, até agora visto aqui como a única forma de conter a Pandemia.

Neste momento é preciso se fazer uma reflexão profunda e criteriosa que envolve valores e prioridades individuais. Cada caso é um caso, pois enquanto alguns podem morrer com o vírus, outros podem morrer com o isolamento e perda de capacidade financeira.

Com estas preocupações e sob o bombardeio de informações e fake news das mais variadas, disputas políticas e um caos generalizado, tomamos a iniciativa de buscar informações científicas e isentas do viés político que distorce a verdade.

Fizemos contato com o Prof. Roger de Moraes que, entre outros títulos, é Pós-Doutorado no Laboratório de Investigação Cardiovascular do Instituto Oswaldo Cruz – Fundação Oswaldo Cruz (2009-2014). Doutor em Ciências pelo programa de pós-graduação em Biologia Celular e Molecular da FIOCRUZ (2008). Mestre em Ciências pelo programa de pós-graduação em Fisiopatologia Clínica e Experimental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2004).

Para quem não conhece o Roger, trata-se do primeiro vencedor de uma prova de Triathlon realizada no Brasil, em 1983 – Triathlon Café do Brasil.

Veja aqui o seu currículo mais detalhado

Ele entrou em contato com o Dr. Luis David Castiel, graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil (1975), mestrado em Community Medicine pela University of London (1981), doutorado em Saúde Pública pelo Fundação Oswaldo Cruz (1993) e pós-doutorado pelo Depto. de Enfermeria Comunitaria, Salud Publica y Historia de la Ciencia da Universidade de Alicante, Espanha (2005).

Veja aqui o seu currículo mais detalhado.

Juntos elaboraram um documento exclusivo para a FTERJ, com o qual esperamos poder contribuir para uma tomada de decisão de cada um de nós, organizadores, atletas, profissionais de educação física e aficionados em geral.

A recomendação oficial da FTERJ é:

Fique em casa, pelo menos enquanto a curva de mortes e infecções não começar a diminuir. Mas se optar por sair e treinar sua modalidade, siga as orientações mínimas com embasamento científico, evitando aglomerações e protegendo-se com o uso de máscara, mantendo as mãos limpas com com o uso abundante de água, sabão e álcool gel, e sem levá-las ao rosto. Respeite as determinações do Poder Público local.

Estamos todos contando os dias em que a vacina será descoberta e as mortes desaparecerão.

Julio Alfaya
Presidente

Veja aqui o trabalho completo desenvolvido pelos autores para a FTERJ